Vem conhecer o projeto Pernambucano BONITA DE CORPO contra a Gordofobia.

A publicidade é apontada como uma das principais responsáveis pela espetacularização do corpo na sociedade moderna, tendo em vista que, as campanhas produzidas recorrem aos corpos para divulgar seus produtos e serviços. Com base nessa ideia, um coletivo de mulheres da cidade de Recife, Pernambuco, engajadas em prol da autoestima e valorização do corpo como ele é, se juntaram e criaram o projeto Bonita de Corpo. Vem entender um pouco mais sobre ele.



De maneira geral, as peças publicitárias apresentam um padrão de mulheres e homens - magros e brancos - protagonizando campanhas. O pré conceito nos acompanha diariamente, isso mesmo, mas por que não preconceito?


Simplesmente pelo conceito que criamos e pré julgamos, pelo jeito de pensar, o tal do "não falei na maldade" como muito se escuta por aí - é gordinha, mas tem um rosto lindo - o padrão proposto pela sociedade acaba sendo desejado por conta da visibilidade que ele tem e impacto que causa.

O problema de adotar um padrão é excluir todos os outros e associar a imagem.

Aline Sales, vivendo todo esse preconceito e na fase de aceitação do seu corpo, decidiu falar sobre, de uma forma diferente com o projeto Bonita de Corpo, um grande debate que vai além do ser gorda, veio com a necessidade de falar sobre esse preconceito que é tão mascarado.


Como fotógrafa teve a ideia de juntar umas amigas e fazer fotos delas vestidas com uma camisa na cor branca para ir contra a famosa fala de que "branco engorda por isso gordo não pode usar" e a frase "Bonita de corpo" com as imagens divulgadas na internet, foram confeccionadas outras unidades e colocadas a venda em tamanhos G, GG e XGG.



Além da produção das camisas, o projeto conta com outras atividades. Teve uma performance apresentada na abertura da exposição “Atos de Mover” de artistas e ativistas pernambucanos, na Galeria Capibaribe, no Centro de Artes e Comunicação na UFPE, com a idealizadora do projeto, Aline Sales e a performer Thaísa Espindola e ocupando as ruas com lambe-lambes.

Hoje, o projeto é a venda das camisetas e o coletivo de enfrentamento à gordofobia, que a fotógrafa promove debates sobre o assunto no Estado de Pernambuco, com a intenção de contribuir para aceitação do próprio corpo como naturalmente é, buscando elevar a autoestima das mulheres gordas.  

Texto por Isabelle Cavalcanti