29 de Janeiro. Dia da Visibilidade Trans.

Você sabia que existe um dia em prol da consciência social e visibilidade de homens e mulheres travestis e transexuais? Vem entender mais sobre a causa e o movimento.




E hoje o T da sigla LGBTQIA+ volta a atenção da sociedade em prol dos direitos de igualdade e respeito social para o público transsexual, transgênero e aos principais nichos voltados aos mesmos. Para você entender, o dia 29 de Janeiro foi escolhido para acolher tal causa devido o lançamento neste mesmo dia em 2004, da campanha “Travesti e Respeito“ promovida pelo Programa Nacional De DST/AIDS do Ministério da Saúde em parceria de grandes nomes que se destacavam na militância a favor dos direitos humanistas comuns às travestis na época.


- Só pra lembrar:


Transsexual: Se advém do desejo de mudança irreversível do sexo. Não se ver com o sexo biolótico.

Transgênero: A identidade de gênero não é de acordo com seu sexo biológico.


O universo LGBTQIA+ vem lutando a cada dia em prol do seu espaço, isso é fato. Infelizmente sempre existiu o preconceito para com todo o movimento e se tratando neste contexto de homens e mulheres transsexuais e transgêneros, a luta de causas militantes vão também a busca de direitos sociais que deveriam ser até comuns e vivenciados de maneira igualitária, como criação e inserção do público trans em projetos comunitários e de senso nacional, mercado de trabalho, saúde e até conteúdos de acolhimento no convívio comunitário e familiar.


- Você já parou para pensar o tanto de dificuldade que pessoas de diferentes nichos fora dos comuns e padronizados na sociedade, tendem a sofrer pelo preconceito apenas por buscarem os seus direitos que deveriam ser comuns?

Quantas pessoas trans não gostariam de ter uma profissão, cursar universidades, fazer parte de movimentos e projetos comuns sociais? A comunidade sempre sofre por perceber a baixa de oportunidades para tal público, que a cada dia, diga-se de passagem, aumenta.

O Blog Edu Gonçalves conversou com a Empresária, Dj, Estilista e militante das causas LGBTQIA+ e principalmente do público Trans que a mesma faz parte no estado de Pernambuco, Rainha de Recife. Questionada sobre a importância de tal movimento a favor dos diretos comuns ao gênero, a mesma diz:

Tudo o que se diz respeito a letra “T” do nosso LGBTQIA+ para mim é sagrado. O gênero que mais sofre com todos os impecílios, preconceitos e ataques transfóbicos, nossa maioria vivi na rua, obrigadas a se prostituir para de alguma forma sobreviver... Somos nós trans, travestis que ficamos na maioria das vezes de frente dessa batalha em busca de respeito, igualdade e reconhecimento, existimos e resistimos. Somos inevitáveis!